Quem Somos

A Associação Brasileira de Bebidas Destiladas nasceu em julho de 2021 a partir da união das cinco maiores empresas globais de destilados – Bacardi Martini, Beam Suntory, Brown Forman, Diageo Brasil e Pernod Ricard.

A constituição da entidade é uma evolução da organização iniciada pelas empresas em 2020, com a criação do Núcleo pela Responsabilidade no Comércio e Consumo de Bebidas Alcoólicas no Brasil, grupo formado com o objetivo de contribuir para que a relação da sociedade com as bebidas alcoólicas seja transparente e responsável.

A entidade representa um setor que tem valor de mercado na ordem de R$ 34,2 bilhões/ano¹ e impacta diretamente na geração de emprego e renda, além de um importante volume no recolhimento de impostos.

A atuação da ABBD se dá com base em seis pilares fundamentais:

#1 - Saúde do consumidor

Trabalhamos para que o consumo de álcool por adultos saudáveis seja feito com moderação e para coibir o uso abusivo ou por grupos de risco.

  • Estabelecemos parcerias com entidades do ecossistema dos destilados, buscando apoiar e reforçar o compromisso de toda a cadeia com a saúde do consumidor.
  • Desenvolvemos ações informativas e educativas para o on trade e off trade, com o objetivo de levar informação e educação ao consumidor final sobre consumo responsável.

#2 - Consumo moderado

Disponibilizamos conhecimento científico e informamos o consumidor com transparência, criando as bases de sustentação para o entendimento sobre o consumo moderado de álcool por adultos saudáveis.

  • Defendemos que a educação do consumidor é a base para uma relação responsável e sustentável entre sociedade e o mercado de bebidas alcoólicas. Proporcionar conhecimento e educação, com transparência para que maiores de idade optem pelo consumo equilibrado e sustentem condutas responsáveis, é pavimentar o caminho para um desenvolvimento ideal dos mercados e para atender os anseios do consumidor consciente.
  • Para a ABBD, a definição de uma Dose Padrão no país é um passo fundamental. A Dose Padrão é uma medida em gramas de álcool, única para todas as bebidas, que serve de referência para a criação de estudos e políticas públicas relacionadas ao álcool em mais de 50 países. Apoiamos que a dose padrão de 10g, já estabelecida na norma de Rotulagem Nutricional de Alimentos aprovada pela Anvisa, seja adotada em todo o país.

#3 - Álcool é álcool

Pregamos a transparência para que ao consumir álcool se entenda que independentemente da bebida de preferência – seja cachaça, gin, cerveja ou vinho – o importante é a quantidade de álcool que se está ingerindo e não o tipo. Afinal, álcool é uma molécula e independentemente da bebida: #ÁlcooléÁlcool.

  • Apoiamos o Doses Certas, um movimento de esclarecimentos, por meio de estudos, pesquisas e informação, e de defesa da moderação no consumo de bebidas alcoólicas. Procuramos, com o Doses Certas, estimular o debate e combater mitos relacionados às bebidas alcoólicas, como o de que existem bebidas mais “fortes” que outras.

#4 - Combate ao mercado ilegal de bebidas alcoólicas

Propomos e defendemos medidas efetivas de combate ao mercado ilegal de bebidas alcoólicas, para evitar riscos à saúde do consumidor e coibir a competição desleal, além da perda de arrecadação dos cofres públicos.

  • Consideramos imprescindível o enfrentamento do comércio e produção ilegal de bebidas alcoólicas, problemas que ganham notoriedade em razão do risco à saúde do consumidor, da substancial perda de arrecadação do Estado.
  • São considerados cinco tipos de ilegalidade: contrabando, falsificação, produção artesanal ilícita, uso de álcool substituto (que não é destinado ao consumo humano) e fraude na arrecadação de impostos.
  • Bebidas ilegais chegam a ser até 70% mais baratas do que as oficiais, o que se torna atraente em tempos de crise econômica. As perdas fiscais devido ao mercado ilegal somaram R$ 5,5 bilhões¹ (em um ano) e com isso, o crime organizado já lucrou mais de R$ 3 bilhões¹.

#5 - Isonomia na tributação

Defendemos um sistema isonômico de tributação promovendo competição leal e ponto ótimo de tributação, coibindo o crescente mercado ilegal de bebidas.

  • Todas as bebidas alcoólicas devem ser tratadas de maneira simétrica tanto do ponto de vista regulatório como tributário, permitindo uma competição justa, arrecadação de impostos, geração de empregos e valor para a sociedade brasileira.
  • Entendemos como bebida alcoólica toda bebida com teor alcoólico igual ou superior a 0,5 grau Gay Lussac, conforme Lei 8.918, de 1994.
  • Em 2015, foram instituídas novas normas tributárias no Brasil que alteraram a sistemática de cobrança e estipularam alíquotas elevadas do IPI para os destilados, entre 25 e 30%. Criou-se uma distorção entre as empresas do setor, pois a alíquota da cerveja caiu de 15% para apenas 6%. Por isso, uma de nossas bandeiras é a restituição das bases competitivas da indústria de bebidas, por meio de uma tributação isonômica e justa, que incentive as empresas a investir e, ao mesmo tempo, desestimule o comércio ilegal.

#5 - Publicidade com princípios

Somos comprometidos com a comunicação responsável, esclarecendo ao consumidor a quantidade absoluta de álcool presente em uma dose padrão e acreditamos que todas as bebidas alcoólicas devem se submeter às mesmas regras e restrições.

  • Seguimos as regras estabelecidas pela legislação e pelo CONAR em todas as nossas comunicações.
  • Defendemos a isonomia regulatória, com tratamento igual para todas as bebidas alcoólicas (toda bebida com teor alcoólico igual ou superior a 0,5 grau Gay Lussac, conforme Lei 8.918, de 1994), no que diz respeito à comunicação de suas marcas.

Estamos sempre atentos às pautas e necessidades do setor em âmbito nacional, buscando trabalhar em parceria com entidades e empresas relacionadas à nossa cadeia produtiva.

ABBD

Presidente:

José Eduardo Macedo Cidade

Conselho:

Daniela Castany de Fiori Villa – Diageo Brasil
Mariana Pimentel Falleiros – Pernod Ricard
Juliana Gomes Meira Guimarães – Beam Suntory
André Duarte – Brown Forman
Priscila Coelho – Bacardi Martini

Diretoria:

Presidente: José Eduardo Macedo Cidade
1º Vice-Presidente – Luis Oliveira – Diageo
2º Vice-Presidente – Carlos Eduardo Roehniss Lopes – Pernod Ricard
3º Vice-Presidente – Nelson Antonio Ferlini – Brown Forman
4º Vice-Presidente – Alexsandro Barboza Chaves – Beam Suntory

1 – Estudo “Álcool Ilícito no Brasil”, Euromonitor International (2018)